Memórias de um cão arrebatador

Por Juliana

Protagonista das histórias mais megalomaníacas e absurdas desde que chegou na família. Veio ao mesmo tempo do meu, o que nos fez apresentá-los como primos. E eram. Tinham a mesma relação afetuosa e um tanto conturbada, na base da provocação e carinho quase simultâneos.

Dono de uma boca sem seleção alguma. De batom a pote de sorvete vazio, ele mandava tudo pra dentro. Bolsa de couro, pratos esquecidos em cima da mesa, sapatos, cantinhos de qualquer coisa. Comida? Todas agradavam. Frutas, bolacha, pão com mortadela, alface. O hálito tornou-se peculiar marca registrada.

Carinhosamente batizado de Beto, apelido de um tio, o nome registrou diversas gargalhadas quando, por exemplo, numa ligação: “o Beto não passou a noite bem” ou “o Beto está há dias com o cocô mole”. Engano de quem pensou que pudesse ser o tio Beto. Era o cachorro.

Nos primeiros anos de vida, obedecia à minha tia, mãe por direito. Depois de latir e uivar ininterruptamente dias a fio e ser ameaçado de expulsão do prédio por um abaixo-assinado dos moradores, Beto precisava sair de casa. Beto, o cachorro. Melhor deixar claro porque num outro mal entendido poderiam achar que meu tio estava se separando.

Foi com os dois velhinhos mais queridos da minha vida que ele encontrou seu lar definitivo. Vovô e vovó estavam com as malas prontas para morar na praia e, mesmo com uma vida nova e desconhecida num momento já frágil, a decisão não foi difícil. Último item da bagagem: Beto.Claro, o cachorro.

Das mãos atenciosas da vovô, nada era negado. Betinho, como ela o chamava, compartilhou as embalagens de salame e mortadela que nem ela poderia comer. Do vovô era a rotina de colocá-lo para dormir diariamente. E ele respeitava o olhar soberano como um mantra e se retirava para os aposentos caninos fora da casa. Os dias de banho também eram especiais, quando ele subia num banco de concreto da casa vizinha e vovô o esfregava enquanto jogava água fria da mangueira. Debaixo do calor litorâneo, ele adorava.

E assim foi, durante 12 anos. Eles o criaram como avós fazem com os netos. Sem negações, frescuras, quase nenhuma disciplina. As trapalhadas causavam muito mais risadas do que repreensões. Se você é neto, certamente sabe. Se você é avô ou avó, também.

Digo foi porque agora ele faz parte do mundo invisível que a gente não pode tocar. Num sábado ensolarado e sem nenhum alarde, num silêncio estranho que não fez jus à fama de bagunceiro e destruidor, enquanto eu assistia a uma matéria do Xingu sobre a crença dos índios de que tudo, dos humanos às arvores, tem espírito.

Não deve ser coincidência (elas existem?), surgirem tantas lembranças gostosas de um ser que, agora, é apenas um espírito.

Creio que a morte nos mostra nossa impotência de uma forma estranha. Quinta à noite ele estava ali. Latiu, andou, comeu, fez xixi, quase conversou (como todos os bichos que são nossos). Em menos de dois dias e por um motivo que nem eu, nem você e nem ninguém controla, as memórias de passos tão rotineiros tornam-se apenas doces memórias.

Longe de tentar alcançar a dor que os velhinhos estão sentindo e que me custou olhos embaçados em muitas horas no último final de semana, essa é apenas minha pequena contribuição às memórias do cão que, nesse momento, representa tantos amigos bichos capazes de tamanho companheirismo e amor incondicional humanamente invejáveis.

 

Anúncios

8 Comentários

Arquivado em Juliana

8 Respostas para “Memórias de um cão arrebatador

  1. Cecilia Marcia

    Eita Juju, a tia Marcia é velhinha e chora a toa, imagine com motivo então? Família cachorrenta é fogo, sofre muito, porque eles ficam muito pouco por aqui. Estou reunindo coragem pra ligar pra tia, sei que vai ser dolorido. Ainda mais que cultuo a máxima: bicho sempre, humano nem sempre. Muitos beijos querida e vou lembrar sempre do Beto trazendo sua ração e colocando nos pés das visitas! (menino educadíssimo!).

  2. Que incrível, Ju. Por algumas linhas eu vi o Beto, quis apertar seu focinho, costume que tenho com os cãezinhos, bichinhos que tanto adoro, e até me vi correndo atrás dele. Vi a vida desse arteiro, senti seu cheiro, deu risada das façanhas. Eles dão alegria pra gente, né? E eu nunquinha tive um companheiro desses. Mas como eu gosto. Adorei o texto, está lindo, vivo!

  3. Roberto Thomaz

    Quando me despedi dele, após a decisão mais doída da minha vida, pensei em todos os momentos bons que o danado nos deixou de lembrança, das bolachas cobradas, mortadela e tantas outras coisas, despedidas da praia (ele no colo do Vô “fazendo” tchau) e nós voltando para Sampa, roladas no tapete da sala e compreendi que até nesta hora difícil vendo o olhar dele que era o mesmo,de sempre (inquiridor e engraçado), que estava indo embora acima de tudo um cão que cumpriu com o seu papel de uma forma admirável, talvez única. E agradeci por isto.
    É isso aí, Jú
    Muito bonito o que você escreveu.
    Bjuss..
    Tio Beto (aquele).

  4. marisa thomaz

    Uma família,um cão ,muito amor e muita sensibilidade da sua parte filha querida.Linda a forma que você escolheu para se despedir do “primo Beto.Continue assim.Beijocas
    Mamis

  5. Marina Lourenção

    Mais uma vez a sua capacidade de traduzir sentimentos em lindas palavras me arrancou lagrimas dos olhos. Amo animais, amo cachorros e eles são, com certeza, parte integrante das nossas famílias.

    Saudades de conviver diariamente com uma pessoa tão doce e especial como você!!

    Bjos,

  6. Nossa, Ju, que triste. Mas que texto lindo que traduziu em palavras aquela falta estranha que só sente quem tem um bichinho em casa para chamar de seu. bjos!

  7. Lindo Beto. Linda Juju.
    Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s