Arquivo do mês: abril 2013

Linha Tênue

Dizem que existe uma linha tênue entre o amor e o ódio. Dizem que esses seriam os sentimentos mais próximos e mais extremos ao mesmo tempo. Eu acredito que existe uma linha tênue em tudo que nos somos, fazemos e acreditamos.

Existe, por exemplo, uma linha tênue entre contar um história e fofocar. Pra cá, é só contar um causo, seu ou de alguém próximo, mesmo algo bem bizarro que aconteceu com o amigo, da namorada do primo do seu vizinho.

Pra lá está aquela pontinha de maldade de todos nós, pessoas legais, jovens, descoladas, que pagamos nossos impostos, compramos bala no farol, chocolate no trem e ainda ajudamos velhinhas a atravessar a rua, temos. Aquela pontinha de maldade de contar, ou pior, recontar aquele comentário desnecessário que alguém fez e já virou motivo de falação por trás da pessoa.

Existe uma linha tênue entre a amizade e o coleguismo. Do lado de cá, aquele perdão automático, aquela franquesa, aquela mania de mesmo no terror ver graça em tudo e dar um jeito em tudo.

Do lado de lá, o fato de só lembrar quando precisa, só chamar quando não tem jeito, só conversar quando está de bom humor. A arte de suportar as pessoas é a tinha tênue. Colega você suporta, amigo você é. E você também pode ser amigo de uns, ser colega de outros, entenda, não dá para ser amigo de todo mundo.

Existe também, meus caros e minhas caras, a linha tênue entre o líder e o chefe. É minha gente, não existe chefe só no trabalho, e não existe líder só na queimada (aquele jogo que a gente tinha que queimar, ou proteger, a abelha rainha). Apesar de acreditar muito na anarquia como modo de organizar as coisas, líderes são bem-vindos para mim. Principalmente quando todos tem um chefe, e seus chefes tem um chefe e assim por diante. Não dá, pelo menos não agora, para anarquizar com um setor, liderar outro e chefiar outro. Ou é tudo no mesmo padrão ou não é padrão nenhum.

Mas voltando a linha tênue, não vou ficar explicando as diferenças tênues entre líder e chefe, podem procurar qualquer matéria da Você S/A que lá tem dúzias e dúzias de matérias sobre isso.

Onde mais há uma linha tênue? Ah! Entre a brincadeira e a xacota, entre não poder fazer e fazer corpo mole, entre permitir e ignorar.

Tem uma frase que uma amiga (que até hoje me inspira com suas atitudes) disse certa vez e eu odiei, afinal, a carapuça serviu e quando carapuça serve você deixa de amar e passa a odiar. Uma frase bíblica do Apocalipse, que, veja só, é a linha tênue entre o céu e a terra. O Juízo final.

“Seja quente, ou seja frio. Se for morno, te vomito” Apocalipse 3:15-16

Traduzindo, tome partido, saia de cima do muro, da linha tênue. Seja uma coisa, ou seja outra. Pode até mudar de ideia no meio ou no fim do percurso. Mas, por favor, não seja morno.

valores invertidos
Achamos a foto aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Izabel

No começo ou no fim, faça o que tem vontade

“Eles achavam que ela estava maluca, ridícula. Ela teria pensado a mesma coisa, se fosse uma delas se consumindo de dor. Um coração partido é engraçado para todo mundo, menos para quem está com ele partido” (A Trama do Casamento – Jeffrey Eugenides)

Por: Marianna Abdo

“Não liga pra ele porque ele vai achar que você está sofrendo”, ouvi uma amiga aconselhar a outra no metrô.

Senti aquele arrepio na espinha que sinto todas as vezes que ouço essas dicas prontas para fins de relacionamento. Olhei pra coitada da receptora e vi que o cara não estaria errado se pensasse que ela estava sofrendo. Tudo nela era sofrimento: os ombros caídos que o pé na bunda causa, as olheiras e bolsas logo abaixo dos olhos tristes, o cabelo sujo de quem se esforçou tanto pra levantar da cama que esqueceu do shampoo.

“Você precisa dar espaço, ele precisa sentir sua falta”.

Que espaço, Jesus? Espaço é o buraco imenso que estava no peito daquela menina. Espaço era a marca de sol no anelar direito da zuada aliança de prata que ela devia usar. Espaço era o vazio na cama de solteira. Espaço é o que ela não teria se engolisse tudo que queria dizer. Engolir, guardar, trancar não dá espaço para a paz.  

Sempre fui contra esperar o dia amanhecer para fazer as pazes. Na minha cabeça, uma noite de bunda virada não esfria a cabeça, esfria o cuidado, a relação. Faça as pazes antes de dormir. Ou pelo menos tente. Não passe a noite ensaiando no espelho o que você vai dizer com os olhos inchados de chorar, só porque te falaram que não há nada como “um dia após o outro”.

“Mas eu queria dizer o quanto ele está fazendo falta pra mim, que eu ainda o amo, que podemos ser felizes juntos”.
“Amiga, olha a dignidade. Você precisa se preservar”.

Nessas alturas eu já queria gritar. No amor não existe a palavra preservar. O apaixonado não preserva nem o meio ambiente dirigindo quilômetros, pra comer um pedaço de pizza em uma padaria e voltar em uma hora. O amor não preserva nem o amor, quanto mais o corpo, a dignidade, a honra.

Queria dizer para ela que sou a favor de fazer o que der vontade até passar a régua. O que importa ele achar que você está sofrendo quando você está sofrendo? O que importa ele achar que você está na prateleira esperando ele voltar quando sua poltrona realmente é a prateleira? Sou a favor de fazer o que der vontade mesmo que isso seja ser a louca.

O único conselho que eu vejo como certo no fim de um relacionamento é esse: faça o que tem vontade. Se essa vontade é se recolher e nunca mais olhar para o individuo: faça. Se for o contrário, se joga.

Quem é amigo tem que saber que o outro precisa passar por isso protegido ou não. Quem é amigo tem que respeitar a vontade do outro. Quem é amigo tem que dar colo sem julgamento.

Amiga, fuck se a atual vai te chamar de coitada, frustrada, acabada, mal comida e o diabo. Fuck o que ele vai pensar. Quem parte um coração, tem que saber que partiu um coração. 

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Bonsai

Por: Marianna Abdo

A primeira piada sobre relacionamento que ele me contou dizia que deveria ser legal namorar um bonsai. Assim, você poderia levar aquele vasinho para cima e para baixo, sem vozes, famílias e conflitos emocionais. “Imagina você na balada com um bonsai?”, disse ele rindo.

Diante da minha indignação ele recuou e soltou um risadão dizendo o velho e mentiroso: “É brincadeira”. 
 
Não era.
 
Se no lugar do bonsai ele tivesse dito uma rosa, nós estaríamos juntos porque sou cheia de espinhos.
 
Se fosse um girassol, eu estava dentro porque minha juba de leonina e sorriso avantajado ajudam bastante. E ainda dizem que eles captam a energia ruim do lugar. Ponto pra mim.
 
Mas ele queria um bonsai. Aquela arvorezinha baixinha, de pernas curtas, que faz poucas exigências e passa despercebida em uma casa, mas que não morre e você é obrigado a cuidar a vida inteira.
 
foi coerente e seguiu sua escolha.

 

1 comentário

Arquivado em Uncategorized