Arquivo do mês: fevereiro 2016

Tem aquela idade

O-tempo-voa-Relógio-CriativoTem aquela idade que todos convidam para as festas de 15 anos. (Antes disso eu não reparava nesse tipo de coisa). Tem idade que todo mundo tem um trabalho voluntário, um orfanato para ir.

Tem aquela idade que todos estão contando como foi o trote na faculdade. Tem aquela idade que todas estão em busca do vestido de formatura, e começam a chegar os convites para as mesmas.

Aquela idade que as avós de todo mundo começam a morrer. Depois os cães de estimação, ou gatos. Até os peixeis. Todos resolvem morrer na mesma época.

Tem aquela idade que todos parecem ter um chá bar/de cozinha/ de lingerie para ir. Tem aquela idade que após os chás de cozinha, todo mês tem um chá de bebê….

Tem aquela idade que os amigos começam a ir morar longe, os primos tem filhos e começam a não vir mais nas festinhas. Você começa a não ter mais tempo para as festas, ou para os filhos, ou para os outros parentes, ou para o trabalho.

Tem aquela idade que os professores começam a morrer. Pior que as avós. Porque as avós vocês sempre viu velhinhas mesmo. Mas os professores, de mestres viram colegas, e colegas parecem ter todos a mesma idade. Colegas são imortais…

Então, as vezes após os professores, as vezes antes, os pais de todo mundo começam a morrer. Ai as mães. Dos seus amigos de infância, dos primos dos seus amigos, do seu namorado/marido/caso…. Pais e mães deveriam ser imortais. Mas assim como os professores e colegas, não são.

Chega uma idade que as conversas de rodas de amigos – quando se encontram nas folgas dos filhos, família, trabalho – tem sempre o mesmo começo “Sabe quem morreu?”.

É nessa idade que a gente se preocupa com a própria morte.

(Izabel M. Meo)

Achei a foto aqui.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Izabel